Logotipo Da Fórmula de Gestão

Atuação Nacional

Crédito Tributário Na Recuperação Judicial

Atuamos Em Todo Brasil!

Link Para Abrir Whatsapp da Fórmula de Gestão(11)9.8834-4926
Fundador

Há uma grande satisfação emocional e obrigação moral nessa função. Álvaro, quando mais jovem viu seu pai falir duas empresas que foram bem sucedidas e tristemente o viu também sucumbir com a queda dos seus negócios. A impotência na época diante da situação o motivou a buscar aprender e investir em ser capaz de auxiliar os empresários que passam por momentos difíceis, momentos que podem atingir um estágio crítico.

Por isso, nosso CEO, Álvaro Marcos, acumulou conhecimento e experiências ao longo de 10 anos para tornar-se um especialista em gestão de empresas em crise.

Alvaro Marcos - Fundador da Fórmula de Gestão
Contato
Oportunidades

Nesta exposição iremos no ater às peculiaridades do crédito tributário na recuperação judicial. Mas inicialmente devemos recapitular alguns conceitos básicos, como o de crédito tributário e sua natureza.

Crédito tributário, de forma sintética é a obrigação tributária exigível, lançada devidamente e exigível, ou seja, passível de cobrança.

O crédito tributário é a consequência jurídica da obrigação principal, conforme o disposto nos artigos 139, 140 e 141 do Código tributário Nacional.

Na linha do que dispõe o artigo 142 do Código Tributário Nacional, o lançamento do crédito tributário é o procedimento administrativo que tem o objetivo de verificar a existência do fato gerador da obrigação correspondente, identificar o sujeito passivo e determinar a matéria tributável.

É cediço que a lei 11.101/05 normatiza o instituto da Recuperação Judicial. Tal instituto preconiza a reversão da crise econômico-financeira de uma empresa, de forma que seja evitada a sua falência e toda a cadeia de eventos que a falência de uma companhia pode resultar negativamente na economia.

Depreende-se da interpretação literal do diploma legal ora referido que a execução fiscal promovida contra o devedor de obrigação tributária subsiste mesmo durante o período de recuperação judicial.

Na recuperação judicial, em regra, há uma “trégua” na exigência de obrigações da empresa em recuperação para que esta possa se organizar e evitar a falência e solver suas dívidas.

Assim, à exceção do parcelamento, modalidade de suspensão da exigibilidade do crédito tributário, a continuidade das execuções fiscais sobre as empresas em recuperação judicial continuará em vigor (Art. 6, §7º da lei 11.101/05).

No entanto, apesar da norma extraída do referido artigo, a jurisprudência se mostra flexível quanto à abrangência das execuções fiscais.

Utilizando-se uma interpretação sistemático-teleológica, é possível vislumbrar que os atos constritivos e expropriatórios do patrimônio da organização em recuperação judicial.

Mas por tratar-e de um entendimento jurisprudencial, há o conflito de interesses entre fazenda pública, com a pretensão de satisfazer a obrigação que lhe é devida, e a empresa em recuperação judicial, que necessita ter um alívio nas cobranças, subsiste.

Sabe-se que a atividade empresarial é compreendida como atividade de risco. A lei 11.101 possibilitou ao empresário o chamado período de paz, isto é, por 180 dias, todas as ações judiciais, execuções e demais obrigações não satisfeitas pela empresa devem ser suspensas.

A continuidade das execuções fiscais pode causar grande obstáculo e até mesmo inviabilizar o processo de recuperação judicial da empresa.

Imagine uma companhia se recuperando financeiramente junto com ações judiciais, penhora de bens e demais cobranças?

Seria praticamente inviável a recuperação. Mas é o que a lei estabelece. E quando há um conflito de interesses em duas normas válidas é preciso buscar alternativas para que a empresa tenha a oportunidade de se recuperar sem violar a lei.

Assim a norma do art. 68 da lei 11.101/05 estabelece a possibilidade de ocorrer um parcelamento especial para as organizações que estiverem enfrentando o duro período de recuperação judicial.

Em 2005, com o advento da lei de Recuperação judicial, a intenção do legislador foi destacar o Princípio da Maior Preservação da Empresa. As empresas exercem uma importante função social advinda da própria Constituição de 1988, que se refere expressamente à função social da propriedade.

Mas assim como a propriedade cumpre a função social de abrigar as pessoas, a empresa também possui no sentido de oportunizar empregos, distribuição de renda, fomento à economia, riquezas, bens de consumo, tributos, etc.

Indiretamente, uma empresa exerce um papel de inegável importância na sociedade ao gerar empregos e ao fomentar outras empresas.

Com as empresas, o Estado passou a se abster de participar ativamente da produção de bens para a sociedade. E a liberdade econômica, livre iniciativa e outros tantos direitos de importância constitucional tornaram-se possíveis em razão das empresas.

Sendo assim, a ideia de evitar a todo custo que uma atividade empresarial se encerre é bastante louvável para que se preservem diversos indivíduos e ramos da economia.

A empresa é mais importante do que o empresário

Outro interessante argumento é o de que a Recuperação Judicial não possui o objetivo direto de auxiliar ao empresário a continuar lucrando. O objetivo precípuo é manter a atividade empresarial em funcionamento e preservar o coletivo.

Pouco importa (para a legislação) se haverá lucro ou prejuízo para a empresa ao final do exercício financeiro, mas sim que empregados, fornecedores, atividades terceirizadas, comunidade, fisco e outros interessados sejam protegidos da finalização das atividades daquela determinada empresa.

Interesse público

O beneficiário do crédito tributário é sempre um ente público (União, Estados, Municípios e Distrito Federal). A verba pública oriunda de tributos devidos ao Fisco, como é o caso dos créditos tributários, beneficia diretamente a sociedade.

O orçamento público destina-se, dentre outras atribuições, a custear serviços públicos, como educação, saúde, cultura, etc. Logo, é flagrante que há incidência de interesse público na solvência do devedor empresário quanto suas obrigações tributárias.

Por isso que o crédito tributário não é, em regra, suspenso durante o período de paz da recuperação judicial. Pois ele fomenta toda a sociedade e justifica a preponderância sobre o interesse particular.

Mas deve-se ter em mente que no Direito, nada é absoluto e intangível. Assim, a supremacia extremada dos créditos tributários também pode gerar muito problemas. Assim como o crédito tributário tem como beneficiários indiretos todos os cidadãos, a Recuperação Judicial também.

E é nesta tentativa de encontrar um entendimento moderado aos dois institutos, que a jurisprudência oscila buscando o equilíbrio entre a não suspensão dos créditos tributários e o respeito ao plano de recuperação judicial das empresas.

Em interessante julgado, o STJ destacou a vedação de atos judiciais que reduzam o patrimônio das empresas que estiverem em processo de recuperação judicial, sem que houvesse suspensão das execuções fiscais.

A interpretação literal do art. 6, §7º da lei 11.101/05 acabaria por inibir o cumprimento do plano de recuperação judicial em curso, caso houvesse o prosseguimento de atos de constrição do patrimônio da empresa. É o teor do AgRg no AgRg no CC 119.970/RS, de relatoria da Ministra Nancy Andrighi.

Esta vedação ocorre justamente para seja possível cumprir o plano de recuperação e respeitar a função social da empresa, sem, contudo, violar a o interesse público constante dos créditos tributários, mas dando preponderância ao princípio da Preservação da Empresa.

Em razão disso, diversas empresas poderão continuar no mercado, exercendo suas atividades e cumprindo sua função social.

Alguns De Nossos Vídeos No Youtube
Recuperação Judicial da Kodak
Recuperação Judicial da Chrysler
Recuperação Judicial da Kmart

Você Vai Se Surpreender Com As Oportunidades Que Temos Para Sua Empresa!