Logotipo Da Fórmula de Gestão

Atuação Nacional

ICMS A Recuperar

Atuamos Em Todo Brasil!

Link Para Abrir Whatsapp da Fórmula de Gestão(11)9.8834-4926
Fundador

Há uma grande satisfação emocional e obrigação moral nessa função. Álvaro, quando mais jovem viu seu pai falir duas empresas que foram bem sucedidas e tristemente o viu também sucumbir com a queda dos seus negócios. A impotência na época diante da situação o motivou a buscar aprender e investir em ser capaz de auxiliar os empresários que passam por momentos difíceis, momentos que podem atingir um estágio crítico.

Por isso, nosso CEO, Álvaro Marcos, acumulou conhecimento e experiências ao longo de 10 anos para tornar-se um especialista em gestão de empresas em crise.

Alvaro Marcos - Fundador da Fórmula de Gestão
Contato
Oportunidades

É possível compreender a recuperação tributária como a recuperação de impostos, taxas ou contribuições pagas por alguma organização empresarial que foram estabelecidos de forma indevida pelo governo ou mediante erro de contabilidade, calculados a maior.

Todas as empresas, não importa se públicas ou privadas, têm direito a recuperação tributária se houver algum equívoco na tributação.

O fenômeno ocorre quando se exige determinado tributo que vai de encontro às regras instituídas em lei. Caso em que é possível alegar que por tais gravames terem sido estabelecidos de forma ilegal, a empresa faz jus à recuperação tributária.

Realizando a recuperação tributária

Não é incomum que alguns impostos sejam recolhidos de forma errônea, além do que era correto recolher, ou como se diz no jargão técnico, a maior.

Mediante o devido embasamento jurídico, é possível recuperar estes valores pagos a mais em até 5 anos. É importante que se verifique a correção monetária e os valores a serem atualizados.

É possível pleitear a recuperação tributária por meio de um procedimento administrativo.

Vantagens da recuperação tributária

A apuração detalhada da situação tributária de uma organização empresarial faz com que seja possível identificar falhas passíveis de serem retificadas com o intuito de reduzir as possibilidades de as empresas receberem autuações e assim serem compelidas a pagar multas e juros, diminuindo a situação líquida da empresa.

Além disso, a recuperação tributária contribui significativamente para a redução da carga tributária. É uma forma de demonstrar às companhias como elas devem pagar seus impostos, taxas e contribuições (tributos).

Desta maneira, os gastos com tributação da empresa diminuem e, consequentemente, há grande melhora na situação da empresa e na imagem dos gestores, o que chama a atenção de investidores para expandir seu negócio.

A seguir, vamos elencar uma lista de tributos que são passíveis de serem recuperados, caso sejam pagos a maior:

COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social);

ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços);

PIS (Programa de Integração Social)– receita bruta e repique;

CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido);

ICMS-ST (ICMS-Substituição Tributária);

IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica);

INSS (Instituto Nacional da Seguridade Social) sobre verbas indenizatórias – nos casos de demissão sem justa causa;

FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) – multa dos 10% em demissões sem justa causa;

ICMS pago nas contas de Energia elétrica;

IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).

Recolhimento ou recuperação do ICMS?

O tributo a recolher significa que ainda deve ser pago. Tal expressão é utilizada para se referir a impostos a serem pagos pela empresa ao governo pela venda de mercadorias. Ex.: ICMS a recolher. Ocorre quando há venda de mercadorias (fato gerador do ICMS), e a alíquota estipulada para tal tributo é calculada sobre o valor da venda.

Este será o valor que deverá ser pago pela empresa em questão pela venda da quantia “x” de suas mercadorias. Considerando este valor a ser pago, no momento dos ajustes dos impostos, deve-se subtrair o valor existente na conta ICMS a recuperar (referente à compra de mercadorias).

O saldo restante é o valor a ser pago ao governo. A mesma coisa ocorre com a conta PIS a recolher e COFINS a recolher, por exemplo. Só não existirá esta conta se após os ajustes, os impostos a recuperar forem maiores do que os impostos a recolher.

Na recuperação de impostos, a quantia já foi paga, mas de forma errada, seja por erro interno da apuração do quanto é devido ao fisco, seja por erro do próprio fisco por tributar a empresa de forma equivocada.

ICMS

Trata-se do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços. É um tributo de caráter estadual e incide em diversos tipos de produtos, de acordo com a Lei Complementar nº 87/1996. Isto porque o fato gerador, que é o motivo pelo qual o tributo justifica a sua existência, se dá quando há a circulação de mercadorias.

O imposto é recolhido por meio do pagamento de uma guia a depender do regime tributário da empresa. Empresas do Simples Nacional fazem pela guia DAS.

Para vendas fora do estado de produção da mercadoria é preciso emitir a Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE).

Se houver atraso no pagamento, são cobrados juros baseados na taxa Selic acumulada a partir do mês de vencimento.

O ICMS é aplicado tanto em produtos que circulam dentro do país quanto em bens importados. Desta forma, sempre que ocorrer a movimentação de determinadas mercadorias e alguns outros serviços, este imposto deverá ser pago.

A cobrança será realizada quando da emissão de nota ou cupom fiscal. Esta é uma das principais fontes de arrecadação dos estados.

Toda empresa que executar as seguintes atividades deverá pagar ICMS:

Prestação de serviços de comunicação;

Venda e/ou transferência de mercadorias;

Prestação de serviços no exterior;

Importação de mercadorias como consumidor final ou para revenda.

Casos de isenção de ICMS

As principais causas de isenção do ICMS são:

Atividades relacionadas ao comércio de livros, jornais, periódicos e papel destinado à impressão;

Exportação de mercadorias;

Operações interestaduais com energia elétrica, petróleo e seus derivados;

Atividades com ouro, na condição de ativo financeiro ou instrumento de câmbio;

Transferência de bens imóveis ou móveis.

Recuperação do ICMS

Agora que já foi explicado tudo sobre o que significa recuperação de créditos e algumas peculiaridades a respeito do ICMS, vamos tratar das por menoridades que envolvem a recuperação do ICMS.

A recuperação do ICMS é a reclamação sobre os valores pagos a maior. Havendo uma eficaz análise tributária e fiscal, a empresa poderá identificar estes valores a maior e pedir o ressarcimento do que foi pago de forma extraordinária. Isto poderá ocorrer por meio de descontos em outros tributos ou por retorno financeiro.

É bem difícil elencar todas as transações inerentes ao ICMS que são passíveis de recuperação, levando em conta que a simples aquisição de um produto para revender pode ser fato gerador do ressarcimento.

A depender do setor da economia o qual pertence a empresa, os créditos podem ocorrer na negociação de mercadorias ou na realização de serviços de limpeza, por exemplo. É muita diversidade, como por exemplo, em alguns tipos de ICMS a seguir:

Crédito de ICMS sobre o frete;

Crédito de ativo imobilizado;

Crédito de insumos.

Para que seja deferida a recuperação do crédito tributário oriundo ICMS é imprescindível que ocorra um trabalho competente de análise tributária e fiscal para que sejam identificadas inconsistências no pagamento do referido tributo. Após constatar todas as incidências do crédito, deve ser realizado o pedido de recuperação ao órgão competente por meio de um processo administrativo.

Todavia, antes de realizar qualquer estudo para a identificação destas inconsistências, a empresa precisa ter certeza da sua situação tributária no decorrer de sua existência, ou seja, é preciso ter registro nos livros contábeis pertinentes do histórico de fatos geradores e pagamentos de tributo para que o profissional consiga identificar estas inconsistências.

Em outras palavras, pouco adianta contratar o melhor profissional do mercado se não há qualquer registro e organização da empresa em seu histórico de tributação.

Sem a organização dos registros contábeis tributários, o risco de o pedido de recuperação de crédito (ICMS) se tornar o início um verdadeiro pesadelo com tributos a pagar (tanto de prestações vencidas como vincendas) é enorme.

A revisão tributária do ICMS abarca diversos exames para a análise dos valores computados nas devidas bases de cálculo e nas contas do ICMS. Em razão disso, objetiva-se identificar a tributação indevida (ou a maior), bem como identificar créditos não aproveitados na escrituração fiscal.

Seguindo a regra geral, os métodos de compensação são bastante semelhantes, e em regra, são dispensáveis as retificações de declarações e os créditos são usados de forma inoportuna. No entanto, é preciso mais atenção neste caso, haja vista alguns créditos a serem utilizados por meio de ressarcimento. A título de exemplo, o ICMS- ST (Substituição Tributária) em alguns estados são aproveitados mediante ressarcimento.

É preciso salientar que para haver a compensação, além dos registros contábeis decorrentes do aproveitamento dos créditos, é indispensável que ocorra a prestação da informação nos livros fiscais, nas GIAS e SPED Fiscal.

Etapas da recuperação do ICMS

Toda a complexidade no que tange à tributação de uma forma geral ocasiona inúmeros equívocos nas companhias e faz com que elas paguem mais tributos do que realmente devem. Assim, o imposto pago a maior poderá ser reconstituído ou compensado pelo contribuinte.

Vale dizer, ainda, que é necessário que o profissional contábil conheça a legislação estadual reguladora do ICMS, porque cada estado possui uma legislação tributária específica.

Em seguida, é necessário se ater às etapas para verificar a existência de inconsistências aptas a lastrear o processo administrativo de recuperação de crédito tributário de ICMS.

Estar em dia com a legislação tributária em vigor bem como suas alterações. Em especial, ao regulamento do ICMS e possíveis convênios ou protocolos de procedimentos entre os estados.

Localizar e identificar a carga tributária devida pela organização, tendo por base os registros contábeis e fiscais.

Analisar detalhadamente os procedimentos de apuração.

Realizar o cruzamento de informações para verificar a autenticidade das declarações.

Destacar os valores totais de créditos possíveis de serem recuperados (compensações).

Substituição tributária no ICMS

o Supremo Tribunal Federal entendeu que o contribuinte poderá recuperar o valor de ICMS pago na modalidade substituição tributária, quando a efetiva venda ocorrer no valor determinado na ocasião da compra.

Mas o que é substituição tributária? Substituição tributária nada mais é do que a transferência da obrigação do recolhimento do imposto. Assim, existe uma troca entre de quem deveria realmente ser cobrado o imposto (contribuinte substituído) e o contribuinte substituto que é aquele que se responsabiliza pelo pagamento do ICMS.

A responsabilidade pelo pagamento será atribuída em relação a determinadas mercadorias e serviços, conforme a lei de cada estado. Assim sendo, o pagamento do ICMS/ST não é uma despesa para a companhia que o recolhe, já que o valor será reembolsado para essa mesma companhia que recolheu o imposto no momento do recebimento desta venda.

O sistema de crédito (ou sistema da não cumulatividade) viabiliza a compensação do imposto cobrado anteriormente em determinadas operações. A partir daí será possível saber se a companhia possui créditos para recuperar. Caso possua, será realizada a operação fiscal para que se recupere o crédito em questão.

Exemplos reais de recuperação de créditos de ICMS

Analisaremos um caso prático de sucesso na empreitada de recuperar créditos de ICMS. O caso concreto ocorreu com a empresa Via Varejo, dona das Casas Bahia e Ponto Frio.

Em Abril de 2020, a companhia anunciou que irá recuperar aproximadamente R$ 374 milhões em razão de uma sentença favorável do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, em uma ação que pleiteou o reconhecimento dos créditos fiscais oriundos da exclusão do ICMS e da base de cálculo do PIS e Cofins.

Tendo por base as estimativas da União, as organizações que entrarem com recursos administrativos para tentar a recuperação de créditos tributários causarão impactos na casa dos 20 bilhões nos cofres públicos. Todavia, de acordo com o entendimento dos Ministros do STF, é legal a exclusão do ICMS da base de cálculo.

Havendo a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e COFINS surge uma boa chance de recuperação de créditos tributários para as organizações dos diversos ramos e portes, mas o assunto ainda é pouco debatido e muitas empresas sequer sabem da existência de tal possibilidade.

Cuidados com a nota fiscal

Na Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) é indispensável destacar a alíquota e o valor definidos sobre o valor total do produto, já que o abatimento ocorrerá após a emissão da respectiva nota. Ao término de cada mês, este confronto de valores deve ser realizado.

Caso a companhia tenha mais créditos do que obrigações, ela não receberá nada em retorno. Haverá apenas o crédito no ativo circulante, devendo ser compensado nos meses subsequentes. Contudo, caso haja valores a pagar, o recolhimento deve ser realizado imediatamente.

Vale a pena buscar esse dinheiro?

Toda esta tributação extra de ICMS pode ocasionar uma relevante diferença no fluxo de caixa da empresa. Isto porque além de comprar o produto, será necessário adiantar o ICMS mesmo sem saber se haverá a venda efetiva da mercadoria naquele preço. Assim, surge um problema muito grande e que impacta muito o desenvolvimento das empresas.

Por isso, se houver alguma chance de reaver, mesmo que não na integralidade, parte desse ICMS pago, não se deve deixar de tentar.

Alguns De Nossos Vídeos No Youtube
Recuperação Judicial da Kodak
Recuperação Judicial da Chrysler
Recuperação Judicial da Kmart

Você Vai Se Surpreender Com As Oportunidades Que Temos Para Sua Empresa!