Logotipo Da Fórmula de Gestão

Atuação Nacional

Empresários Que Quebraram E Deram A Volta Por Cima

Atuamos Em Todo Brasil!

Link Para Abrir Whatsapp da Fórmula de Gestão(11)9.8834-4926
Fundador

Há uma grande satisfação emocional e obrigação moral nessa função. Álvaro, quando mais jovem viu seu pai falir duas empresas que foram bem sucedidas e tristemente o viu também sucumbir com a queda dos seus negócios. A impotência na época diante da situação o motivou a buscar aprender e investir em ser capaz de auxiliar os empresários que passam por momentos difíceis, momentos que podem atingir um estágio crítico.

Por isso, nosso CEO, Álvaro Marcos, acumulou conhecimento e experiências ao longo de 10 anos para tornar-se um especialista em gestão de empresas em crise.

Alvaro Marcos - Fundador da Fórmula de Gestão
Contato
Oportunidades

O mundo dos negócios não é tão fácil quanto parece e são inúmeros os desafios diários para manter uma empresa aberta. Fatores como concorrência, público-alvo, definição de metas e boas estratégias de marketing e publicidade são verdadeiros leões que precisam ser enfrentados a cada dia. No meio de um mercado tão competitivo, é impossível não errar em algum momento e ocasionar consequências negativas diretas para a sua empresa. É por esses motivos que muitas empresas podem acabar quebrando e colocar em risco tantos anos de batalha.

De acordo com dados da Revista Fortune, 90% das empresas emergentes criadas ao redor do mundo acabam quebrando. Quando se trata do Brasil, os números são ainda mais alarmantes, pois a estatística é de que 67% das empresas quebram antes de completarem os primeiros cinco anos. Os principais fatores que influenciam isso são a falta de planejamento aliada à falta de demanda do produto no mercado. Todos esses números revelam uma dificuldade significativa dos primeiros anos do negócio, impulsionadas, sobretudo, pela falta de planejamento.

Engana-se quem pensa que apenas os pequenos empreendedores quebram ou fracassam na sua trajetória de negócios. Grandes empresas consolidadas a nível mundial já enfrentaram o sabor amargo do fracasso, fator que quase as levaram à falência, mas os empresários responsáveis por essas companhias deram a volta por cima e conseguiram reverter essa situação. Conheça agora as histórias inspiradoras de grandes empresários que quebraram, mas conseguiram dar a volta por cima e atualmente são as cabeças por trás de empresas multimilionárias.

Steve Jobs e a retomada do sucesso à Apple

Qualquer pessoa que vive no século XXI está familiarizada com a história de Steve Jobs e seu maior patrimônio: a Apple, uma multinacional norte-americana que é responsável pela produção e comercialização de equipamentos eletrônicos de consumo, entre os quais podemos citar os softwares, Apple TV, computadores de uso pessoal e uma linha infindável de smartphones. Todos esses produtos são reconhecidos mundialmente por seu design exclusivo e pelos processos tecnológicos de primeira categoria.

A empresa foi fundada no dia 1º de abril de 1976, na Califórnia, tendo como seus precursores Steve Jobs, Steve Wozniak e Ronald Wayne. Inicialmente, a empresa fabricava e comercializava somente aparelhos de computadores de mesa, porém com sistema operacional único e com design que já impressionava os consumidores e a concorrência.

Apesar de ter se consolidado como uma empresa norte-americana de sucesso e de ser considerada como a precursora dos computadores pessoais, a Apple já enfrentou momentos de crises severas na sua história. Na década de 1990, Steve Jobs anunciou a sua primeira saída da empresa e desde então a companhia só fez investimentos errados em equipamentos que não caíram nas graças do público e se tornaram grandes prejuízos. Próximo à virada do século, Steve Jobs foi convidado a retornar para a empresa na condição de CEO e a partir daí os lucros puderam ser reestabelecidos. A introdução do iMac e logo em seguida do iPod levaram a companhia a um outro nível e a lucros extraordinários.

No ano de 2007, a empresa lançou oficialmente o iPhone, smartphone que levou a companhia ao posto de empresa mais valiosa do mundo. Atualmente, o iPhone é responsável por mais de 50% das vendas da empresa em todo o mundo e a Apple é avaliada em aproximadamente US$ 1 trilhão de dólares.

A volta por cima da BMW

São muitas as montadoras de carros que amargam prejuízos na sua trajetória, entre as quais se podem citar a Jaguar Land Rover, a Ford, mas nenhuma delas tão forte como a BMW, que enfrentou 14 anos de prejuízos após o fim da segunda guerra mundial. Na época, foram inúmeras as reuniões dos acionistas da empresa para discutir o fim da companhia. Reuniões desse tipo são comuns quando a empresa possui grandes acionistas e os prejuízos colocam praticamente a empresa em uma situação de falência.

A ideia dos acionistas, no entanto, era vender toda a companhia ou apostar em uma fusão com a Daimler-Benz, dona de um dos carros mais conhecidos em todo o mundo: a Mercedez-Benz. Apesar dos prejuízos amargados pela companhia, grande parte dos acionistas discordou das ideias de venda ou fusão da empresa com outra montadora.

No ano de 1959 e diante de uma crise sem precedentes, a BMW decidiu investir em um segmento que até então não tinha sido explorado pela companhia: os sedãs de quatro portas, tendo como principal estrela o BMW New Class. A ideia foi certa e o automóvel foi um sucesso de vendas naquele ano. Com os sucessos de vendas e a retomada gradual dos lucros, a BMW conseguiu dar a volta por cima, reerguer financeiramente e posteriormente foi a responsável pela compra de outra montadora alemã, a Glas.

Atualmente, nem é necessário ressaltar o quanto a BMW é responsável por modelos de carros vendidos largamente em todo o mundo com preços bem altos. Além disso, a empresa é considerada uma das montadoras de carros mais valiosas do mundo, com um valor de mercado estimado em aproximadamente US$ 31,4 bilhões de dólares.

Luzia Costa e a capacidade de aprendizado depois do fracasso

Toda trajetória de sucesso está intercalada por momentos de lutas, vitórias e derrotas. A empresária brasileira Luzia Costa conhece bem esse caminho e já vivenciou todos esses momentos na sua trajetória de empreendedorismo. De início, Luzia era a responsável por uma pequena lanchonete e daí surgiu a oportunidade de mudar para um espaço maior, onde já funcionava uma pizzaria. Diante da falta de planejamento e a falta de separação das despesas do negócio com as pessoais, o negócio acabou quebrando em poucos anos.

Com a falência de uma empresa, Luzia decidiu não desistir do empreendedorismo e investir em um setor com o qual possuísse mais identificação. Foi a partir desse momento que a empresária resolveu investir na área da beleza e montou uma rede de salões de beleza. A “Beryllos e Sóbrancelhas” é atualmente uma franquia de sucesso e apresenta faturamento mensal de R$ 402 mil reais e anual de R$ 47 milhões de reais. Além desses faturamentos, a empresa também possui unidades espalhadas em todo o Brasil, que são responsáveis pelos lucros significativos.

A história da empresária Luzia Costa é apenas mais um exemplo de como é importante investir em um negócio do qual a pessoa entende e gosta. Apesar do fracasso inicial com a lanchonete e pizzaria, a força de vontade fez a empresária não desistir de empreender e aprendesse significativamente com os seus erros. Saber gerenciar o fluxo de caixa e separar as despesas pessoais das do negócio é um passo primordial para garantir lucros satisfatórios a uma empresa.

Desistir do sonho de empreender não é a melhor opção, mas sim aprender com os erros e saber qual a melhor forma de atravessar a crise. Se você é uma dessas pessoas que não quer desistir do empreendedorismo e não sabe como reerguer a sua empresa, conheça os nossos serviços e tenha acesso a toda uma consultoria necessária para evitar a falência do seu negócio.

Edimilson Amorim e a história da Brasil Uniformes

O otimismo é um sentimento precioso e necessário na hora de abrir um negócio, mas nunca deve vir acompanhado da falta de planejamento e investimentos “às cegas”. O empresário Edimilson Amorim fundou a “Brasil Uniformes” no ano de 2000, reconhecida nacionalmente pela extensa confecção de uniformes profissionais. Apesar de contar, na época, com uma produção mensal de 30 mil uniformes e faturamento de 350 mil reais, os lucros eram inexistentes devido aos altos pagamentos de dívidas com os bancos.

Além de todas as despesas com materiais, funcionários e máquinas, a empresa entrou em um verdadeiro círculo vicioso com o pagamento das dívidas bancárias, com os aumentos recorrentes de juros e uma conta que nunca chegava ao fim. Diante das dificuldades, o empresário não desistiu do seu sonho e resolveu adotar medidas para o seu negócio, inclusive optou por renegociar algumas dívidas com os bancos.

Atualmente, a Brasil Uniformes tem um faturamento anual de aproximadamente R$ 1,2 milhão de reais. Apesar das mudanças na estrutura da empresa e na diminuição do número de clientes, o empresário conseguiu se reerguer e atender a todos os pedidos dos clientes dentro do prazo, sem falta de materiais ou problemas com a confecção.

Starbucks: uma visão certa do negócio

Quem nunca viu aquele clássico copo de café no qual é escrito o nome da pessoa? Afinal, a ideia rende inúmeras fotos para o feed do Instagram. A Starbucks também é uma empresa multinacional norte-americana e que pode ser considerada como a maior rede de cafeterias do mundo. De acordo com informações, o nome da companhia é inspirado pelo personagem Starbuck, do livro Moby Dick. O logotipo da marca também é reconhecível em qualquer parte do mundo, uma sereia de duas caudas que enfeita com maestria os clássicos copos de café da Starbucks.

A empresa nasceu no ano de 1971, em Seattle, nos Estados Unidos, fundada por três sócios: Jerry Baldwin, Zev Siegel e Gordon Bowker. A companhia teve uma rápida expansão em todo o mundo, o que acarretou em pontos positivos, mas também trouxe consequências negativas. No início dos anos 2000, a empresa era muito rentável com mais de 2.500 lojas espalhadas por todo o mundo, foi quando um dos fundadores resolveu sair da companhia e o seu sucessor empreendeu uma expansão muito rápida da companhia, com mais de 16.000 lojas em todo o mundo.

Apesar de parecer um ponto extremamente positivo, essa rápida expansão impactou negativamente a rentabilidade da companhia, pois era um número elevado de lojas e que podiam ser encontradas “em qualquer esquina”, muitas vezes disputando o espaço de mercado entre si. Diante desse cenário, os lucros da empresa diminuíram consideravelmente e a marca, até então consolidada, sofreu um enfraquecimento perante o público.

Diante de todo o cenário de caos pairando sob a companhia, Howard Schultz resolveu retornar à companhia e tomar medidas imediatas de curto prazo: fechou temporariamente algumas lojas e resolveu investir no aprimoramento do seu produto, ensinando também aos seus funcionários como fazer um bom café e melhorar a experiência do cliente dentro da loja. A estratégia rendeu bons frutos e a companhia voltou a ser rentável em um período satisfatório de tempo.

Atualmente, a Starbucks já conta com mais de vinte mil lojas espalhadas por todo o mundo e é uma marca consolidada a nível mundial. A companhia é avaliada em aproximadamente US$ 101 bilhões de dólares e se consolidou como uma das maiores e principais redes de cafeterias do mundo.

O que as histórias de superação dos empresários têm a nos ensinar?

Não são apenas as histórias citadas acima que recontam as trajetórias de empresários que deram a volta por cima e salvaram suas empresas da falência. Outras grandes companhias como Marvel, Nintendo e até mesmo a Nokia enfrentaram momentos difíceis que quase levaram à falência, mas deram a volta por cima e através da execução de ideias pontualmente apresentadas no momento certo foi possível se reestabelecer no mercado e obter lucros significativos.

Apesar de serem histórias que tem como ponto em comum à volta por cima diante do fracasso, é importante ressaltar o quanto cada empresa falhou em diferentes pontos, dos quais se pode incluir: falta de planejamento, falta de organização financeira, crises econômicas do país, falta de identificação pessoal com o negócio, pagamentos de dívidas com bancos e até mesmo o exagero na hora de expandir uma empresa sem avaliar as questões de localização e qualidade do produto oferecido. Esse é um ponto interessante para ressaltar que o empresário precisa conhecer e estar atento em fatores diferenciados na hora de abrir e expandir o seu negócio, pois nem sempre aquilo que parece funcionar para a concorrência é o que vai funcionar na sua empresa.

Todas as histórias contadas nesse artigo ensinam que se render ao fracasso não é a melhor opção e aprender com os erros deve ser prioridade de quem tem o sonho de empreender. Muito além das questões burocráticas de um negócio, saber qual o momento certo de investir é primordial para evitar a falência.

Para quem necessita de consultoria empresarial de qualidade e deseja recuperar sua empresa da falência, os nossos serviços são essenciais e com toda a qualidade que é necessária. Acesse o nosso site e conheça mais sobre os nossos serviços.

Alguns De Nossos Vídeos No Youtube
Recuperação Judicial da Kodak
Recuperação Judicial da Chrysler
Recuperação Judicial da Kmart

Você Vai Se Surpreender Com As Oportunidades Que Temos Para Sua Empresa!